Queria ser Scherbatsky, mas sou Mosby

quarta-feira, setembro 12, 2018



Ted Mosby é um dos protagonistas da série How I Met Your Mother. Ele é o típico personagem oito ou oitenta, você vai admirá-lo ou não vai tolerar nenhum pouco. Ted era muitas vezes visto como o apaixonado bobão, que ficava sempre na “ninguém me ama, ninguém me quer”, entrava de cabeça em relacionamentos falhos, se apaixonava todo momento e vivia fazendo estupidez. Mas ao longo da série conseguimos ver muito mais sobre o menino Mosby.

Sempre admirei a Robin, a força que ela tinha e os planos de carreira. Era uma mulher forte, livre, decidida, pronta para qualquer batalha, totalmente dona de si e que não pertence a ninguém. Muitas vezes ela parecia ser uma mulher frígida e sem coração, não ligava pros sentimentos dos caras que se relacionava, não sofria. Eu queria ser exatamente daquele jeito, afinal, ter que lidar com muitos sentimentos como o Ted não é uma tarefa fácil.

Descobri que sou mais parecida com Ted Mosby do que poderia imaginar. Não sei se isso é bom ou ruim, afinal é possível amá-lo ou odiá-lo em um piscar de olhos.

Ted é um ser extremamente apaixonado. Ele não mede esforços na busca do amor e a quem amar. Mesmo quando ele diz que não vai mais correr atrás, lá está ele fazendo tudo de novo, buscando pela "pessoa ideal". Ama incondicionalmente e não apenas de forma romântica. Ele ama seus amigos e demonstra isso de várias maneiras.

Ted é um ser persistente. Ele não apenas ama, ele persiste, entrega tudo de si. Ele sabe que palavras não valem muito, as atitudes sim. Ted transborda carinho, atenção, esforço, tempo, espaço, dedicação e respeito. E quando digo de respeito, é quando mesmo amando uma pessoa e ela quer ir embora, é preciso entender e deixá-la ir.

Ted sabia abrir seu coração e amar a pessoa até o fim. Amar mesmo após o fim. E amar mesmo depois de jurar não amar mais, pois não era correspondido. Mesmo depois da dor do coração partido, das crises de choro e do orgulho ferido, ele ainda levantava a cabeça e recomeçava.

Queria ser Scherbatsky, empoderada e não me abalar facilmente com os sentimentos. Mas se eu não fosse tão Mosby, literalmente não seria eu. Em tempos onde muitas pessoas são como a Robin, ser como o Ted não parece tão ruim.

"Nenhum de nós pode prometer ser perfeito. No final, tudo o que podemos fazer é prometer nos amarmos de todo coração. Porque amar é a melhor coisa que fazemos."






VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 COMENTÁRIOS

NO FACEBOOK

Créditos

Todo o conteúdo desse blog é de propriedade de Thaynara Paiva, exceto o conteúdo sinalizado. Protegido pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610 de 19/02/1998. É Proibido qualquer tipo de reprodução das imagens e textos sem autorização por escrito.