Papo sério: Cutting

terça-feira, novembro 12, 2013


O assunto de hoje é algo bem sério, que infelizmente muitas meninas e meninos, como eu, acabam praticando cutting em algum momento de sua vida.

Por favor se você é contra quem faz isso ok, mas não venha julgar essas pessoas pelos seus atos, ninguem é totalmente perfeito para julgar outra pessoa. Respeito é algo precioso que todos deveriam praticar.

O que é cutting?
Cutting ou Automutilação é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Bordeline. As formas mais freqüentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo e queimar-se.
(fonte: wikipedia)

Porque praticam?
Muitas pessoas associam a automutilação a uma maneira da pessoa chamar atenção, mas as coisas não são bem assim, a maioria das pessoas que fazem isso procuram esconder suas cicatrizes de alguma maneira e não falam sobre o assunto.
Quem faz isso não quer exatamente se matar, quer apenas esquecer da dor emocional provocando uma dor física.

Como percebem que alguém próximo esta praticando Cutting?
Mudança de comportamento, roupas compridas mesmo em dias de calor, vergonha de mostrar o corpo, dificuldade em explicar de onde os machucados surgiram, machucados que não cicatrizam, não possuem amor próprio, entre outros.

Tratamento:
A associação psicoterapia e medicação tem se mostrado eficaz nos casos de automutilação. A psicoterapia, nestes casos, tem como um dos objetivos ajudar o paciente a identificar outras formas de lidar com frustrações que sejam mais eficazes do que seu comportamento. Ainda não há medicação específica indicada para que o paciente pare de se mutilar, entretanto, a medicação pode ser indicada para alívio dos sintomas depressivos e ansiosos que podem colaborar para a manutenção do comportamento. Há também medicações que são usadas para diminuir a impulsividade e que ajudam o paciente a resistir à vontade de se machucar, caso esta apareça. O ideal é procurar um bom profissional, um psicólogo ou psiquiatra, que possa identificar as causas do problema no paciente e tratá-las. Contudo, é importante que essa iniciativa parta do próprio paciente, não sendo indicado forçá-lo à situação, o que poderia agravar seu quadro. O melhor é que família e amigos o incentivem a procurar voluntariamente ajuda médica, e facilitem o acesso. O automutilador necessita, sobretudo, do apoio da família e dos amigos. Ele precisa desesperadamente sentir-se amado.

Minha história:
Eu pratiquei Cutting em um longo tempo da minha vida, comecei aos 12 anos por me achar gorda, feia, ter problemas familiares, entre várias outras coisas que perturbava minha mente, aos 13 anos um amigo me ajudou a parar, mas infelizmente toda vez que me sentia triste ou sozinha eu praticava novamente, era muito menos que no começo.
Passei anos provocando cortes pequenos pelo corto, nada muito grave, até que aos 18 anos no vim de um relacionamento mais problemas, eu fiquei completamente abalada ao ponto de praticar o cutting sem nem ao menos perceber, me mutilava ao ponto de achar que em algum momento acabaria me matando sem querer. 
O meu pior erro talvez não tenha sido começar a praticar cutting, afinal se não fosse por essa longa e dolorosa fase da minha vida eu não seria quem eu sou hoje, mas, o erro foi não procurar ajudar pra parar, esconder de todos as minhas dores, não conversar sobre isso com os amigos (apenas 5 pessoas até hoje sabiam exatamente dessa história, duas delas acabaram descobrindo sem querer. Meus pais nunca souberam, mas acho que sempre desconfiaram).
Hoje eu posso dizer que NÃO pratico mais cutting e tenho muito orgulho disso, foi uma grande vitória na minha vida, que consegui com a ajuda do meu namorado que eu saber não me julgo apenas sentiu mais vontade de me ajudar e de Deus.
A história foi resumida, sofri algumas coisas pra começar a praticar cutting que acho pessoal demais pra contar.



Pense muito antes de se mutilar pela primeira vez, isso é como uma droga, é viciante e difícil de largar. 
Acabo o post dizendo que se você pratica isso e não consegue conversar com alguém porque tem medo dos julgamentos, eu estou aqui, afinal já passei por isso, me mandem um e-mail mesmo que seja em anonimo (chovendoalgodaodoce@gmail.com) ou no meu ask.
Usem como inspiração a Demi lovato ela conseguiu ser forte e você também pode. Não desistam de si mesmos.
Se você tem alguém próximo a você e acha que ela/ele está praticando automutilação tente ajuda-la sem julgamentos, a pessoa já está abalada pra fazer isso julga-la neste momento só ira piorar as coisas.

Espero que este post tenha ajudado alguém <3


VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

3 COMENTÁRIOS

NO FACEBOOK

Créditos

Todo o conteúdo desse blog é de propriedade de Thaynara Paiva, exceto o conteúdo sinalizado. Protegido pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610 de 19/02/1998. É Proibido qualquer tipo de reprodução das imagens e textos sem autorização por escrito.