Textos

Quando você não vem algo fica estranho

quarta-feira, agosto 01, 2018
Foto: James Fink

Quando você não vem algo fica estranho. Eu sei, isso é tão clichê, mas a verdade e os sentimentos muitas vezes são isso mesmo. Um emaranhado de chiches melosos. Frases de efeito. Textões nas redes sociais expondo pra todo mundo o quanto aquele sentimento é verdadeiro. Fotos e mais fotos, cada passo é uma nova selfie (que vai diretamente pro stories do instagram, facebook, whatsapp).

Com nós dois não tem isso. Não temos fotos juntos, não tem textão, não tem frases de efeito. Temos apenas o mais simples e sincero sentimento. Quem sou eu pra criticar os casais de redes sociais, cada um sabe do relacionamento que vive. Mas eu prefiro isso aqui. Prefiro esse romance escondido que ninguém pode saber. Prefiro apelidos que não podem ser falados perto de outras pessoas. Prefiro o toque suave das suas mãos no meu corpo. Prefiro olhar no fundo dos seus olhos e me sentir segura, sem precisar de mais ninguém e, sentir por alguns minutos que o mundo parou.

Quando você não vem algo fica estranho. O dia perde um pouco a graça. E eu perco algumas horas só esperando você chegar com seu sorriso bobo e abraço apertado. Quando a gente se encontra a gente se conecta. A gente se dá bem, de uma forma que nunca imaginei. Eu não sei o quanto isso pode soar estranho - afinal eu vivo fugindo de nós - mas no fundo, eu amo nós dois juntos.

Não dá pra forçar gostar de alguém. Muito menos escolher por quem vamos nos apaixonar. Eu tentei te ver de formas diferentes. Tentei me afastar por um tempo, e quando vi que não conseguiria, isso começou a me machucar. Essa ligação que está acontecendo me deixa confusa e com medo, ao mesmo tempo que me faz suspirar e sorrir feito criança.

Eu não sei exatamente o que estou sentindo. Só sei que quando você não vem algo fica estranho.
Pessoal

25 coisas que aprendi em 25 anos

sexta-feira, julho 27, 2018

Fazer aniversário sempre foi algo meio complicado pra mim. A ideia que estou mais velha, mais um ano próxima da morte, me fazia sentir calafrios. Nunca havia pensando no quanto cada ano que sobrevivi é essencial e o mais importante de tudo, todas as lições que aprendi. Essas lições que às vezes passaram despercebidas, mas que me ajudaram a ser quem sou.

Já que hoje é meu digníssimo aniversário, pensei em trazer esse post listando 25 coisas que aprendi. Algumas destas coisas aprendi há imenso tempo, outras aprendi semana passada ou até mesmo ontem. 

1. Pensar no futuro é muito importante.
2. Ser você mesmo.
3. Ver o lado bom de tudo.
4. Não ter medo de encarar a vida.
5. Não é egoísmo se pôr em primeiro lugar.
6. Responder com simpatia uma grosseria.
7. Autoconhecimento é tudo.
8. Julgar as pessoas (roupa, gosto musical) é uma idiotice.
9. Não manter amizade com pessoas tóxicas.
10. Não confiar cegamente em NINGUÉM.
11. Maratona de series é melhor que qualquer baladinha.
12. Padrão de beleza é uma merda e você não precisa lutar pra se encaixar nele.
13. Tudo bem não saber exatamente o que quer fazer na sua vida.
14. Vale a pena investir em algumas pessoas.
15. Alimentação SAUDÁVEL é extremamente importante.
16. Não tente mudar uma pessoa, aceite as qualidades e defeitos.
17. Dias ruins não duram para sempre, dias bons também não. É preciso saber lidar com qualquer tipo de situação.
18. Não compare sua vida com a dos outros.
19. Não ter medo de sair da sua zona de conforto. Fazer coisas que nunca imaginou fazer, ir a festas que não faz seu tipo, passear sozinha.
20. Trancar seus sentimentos dentro de si mesmo não é uma boa ideia, em um momento você vai explodir. Se você gosta de alguém, diga. Se algo te incomoda, diga. Não guarde sentimentos sejam eles bons ou ruins. 
21. Crie unicórnios, crie gatos, crie cachorros, mas não crie rancor. 
22. O pra sempre, sempre acaba. É nem sempre isso é ruim
23. Desligue o celular de vez em quando, desapegue das MÍDIAS sociais.
24. Aprender a dizer não é essencial.
25. Por mais que o dia tenha sido DIFÍCIL seja feliz. Tente encontrar alegria nos pequenos detalhes.





Textos

MAIS UM DIA ONDE TUDO É EXATAMENTE IGUAL

segunda-feira, julho 23, 2018
Foto: Pixabay

Nunca fui muito boa com direções. Sempre me perdia facilmente em um lugar novo. Já tive que pedir ajuda diversas vezes até mesmo dentro de um shopping. "Esquerda ou direita? Por onde eu vim?". Também preciso dizer que sempre demoro para lembrar qual lado é o esquerdo e qual é o direito, "Calma, deixar eu ver com qual mão escrevo". Quase sempre perdida, quase sempre tendo que pedir informações.

Por isso me apego facilmente a rotina. Saber ao certo onde estou indo, pegando sempre o mesmo caminho, seguindo a mesma estrada. Para muitos isso seria desanimador, para mim nem tanto. Manter os pés no chão e não me perder em aventuras parece ser a melhor opção na maioria das vezes. Afinal, da ultima vez que mudei todo o percurso foi assustador.

Me lembro perfeitamente daquele dia... 

Era no final da tarde de outubro, o pôr do sol deixava todo o ambiente alaranjado. Resolvi me sentar em um banco na praça, fiquei observando as pessoas que ali estavam. As crianças rindo e correndo, as mães que conversavam sobre aquela famosa da novela que emagreceu 10kg em um mês, o vendedor de cachorro-quente, os pássaros que voavam para suas casas. No meio de tanta gente, uma pessoa específica me chamou atenção.

Sentado na grama lendo um livro (que não me recordo o nome), vestindo um moletom preto fazendo parecer que nem estava calor. Ele tinha um sorriso de canto de boca, olhos grandes que brilhavam com a luz do sol. As vezes ele parava sua leitura para admirar o céu.

Naquele dia eu estava percorrendo um novo caminho, a sensação era incrível, mas se eu soubesse que tudo acabaria dando errado e que eu não saberia mais quem sou, nunca teria sentado naquele banco. Nunca teria me apaixonado pelo menino misterioso do parque (...)
Filmes e Séries

Hereditário, comentando o filme

segunda-feira, julho 16, 2018

Hereditário é aquele tipo de filme que muitos irão amar, muitos irão odiar e muitos não irão entender absolutamente nada. Ouvi comentários de grandes youtubers e em blogs o quanto valia a pena assisti-lo no cinema, decidi arriscar e ver como seria. Posso dizer que foi uma surpresa boa e valeu muito a pena. 

"Após a morte da reclusa avó, a família Graham começa a desvendar algumas coisas. Mesmo após a partida da matriarca, ela permanece como se fosse uma sombra sobre a família, especialmente sobre a solitária neta adolescente, Charlie, por quem ela sempre manteve uma fascinação não usual. Com um crescente terror tomando conta da casa, a família explora lugares mais escuros para escapar do infeliz destino que herdaram."

Escrito e dirigido por Ari Aster, mesmo diretor de A bruxa. O filme começa com uma cena melancólica de um funeral, onde nos é apresentado à família de Annie (Toni Collette em uma atuação digna de prêmios), seu marido Steven (Gabriel Byrne), seus filhos Peter (Alex Wolff) e Charlie (uma estreia impressionante de Milly Shapiro), fazendo as ultimas homenagens para a matriarca da família.

Saindo totalmente fora dos filmes “clássicos” de terror, sem jump scare (essa técnica consiste em um som muito alto para assustar o telespectador), cenas e elementos clichês ou mortes sem sentido e muito sangue. O filme foca em mostrar uma família totalmente desajustada, que possui um histórico de transtornos psicológicos/psiquiátricos – deixando para o telespectador pensar se essa é a herança da família. 

Do inicio ao fim a atmosfera atordoante, fotografia incrível de Pawel Pogorzelski que te faz acreditar que algo muito ruim vai acontecer a qualquer momento. O filme assusta por te deixar agoniado sem entender o que realmente está acontecendo. Te faz ficar grudado na cadeira, tentando entender o que está acontecendo. “É tudo coisa da cabeça da mãe”, “está todo mundo louco”, “isso é só um sonho de alguém o final vai ser uma droga”, são algumas coisas que passaram pela minha cabeça e, possivelmente você terá pensamentos parecidos.

O roteiro, as atuações, trilha sonora, efeitos, cenários, um clima macabro e sufocante que foi construído tão perfeitamente que é como se você estivesse dentro da história. Todos os elementos combinados fizeram um filme que perturba sua mente e deixa seu estômago embrulhado.

Esse gênero de filme é sem dúvidas meu favorito. Onde o psicológico é explorado,  que não mostra apenas demônios/espíritos sobrenaturais, mas que traz os demônios que existem dentro de cada um. Hereditário não é um filme para qualquer pessoa, mas vale muito a pena ser assistido.




Textos

Crescer não é um monstro de sete cabeças

quarta-feira, julho 04, 2018
Foto: Tommaso Orlandi


Mais um dia normal, em que passamos algumas horas deslizando a tela do celular. O Facebook sem dúvidas não é minha rede social favorita, mas já perdi a noção do tempo quando entrei lá. Em meio a memes, militância, tretas sobre divas, fotos de animais fofinhos, sempre aparece uma ou duas publicações daquela colega de escola, que casou, tem filhos, tem uma profissão.
Ver a maioria das pessoas que tem a mesma idade que você, se casando, tendo filhos, construindo uma casa, planejando um futuro é assustador. Eu não consigo nem organizar o que irei comer no almoço, imagine o que irei fazer daqui a dez ou quinze anos.

Todos nós em algum momento iremos crescer, essa é a lei da vida. Alguns irão amadurecer mais cedo, outros irão demorar. Acho que a fase dos vinte e poucos anos é a mais complicado, não nos sentimos como adultos, mas não somos mais adolescentes. Temos que lidar com os problemas - que irão aparecer do nada. Temos que trabalhar mesmo que a vontade seja de ficar na cama assistindo desenho. Já não conseguimos ingerir a mesma quantidade de bobeiras (e temos que aprender a nos alimentar bem e saudável). 

Faz parte do processo de crescer ter que lidar com as perdas. Vai haver um momento em que iremos receber aquela notícia não muito agradável, a notícia que algum amigo ou familiar partiu. E isso vai doer, mas ser adulto é tentar aprender com essa perda. Não sabemos o dia de amanhã, então teremos que viver como se fosse o último. Ouvi  um tempo atrás essa frase e nunca esqueci "Nunca durma com raiva de ninguém, faça as pazes, não sabemos o que pode acontecer em poucas horas".

Crescer é esse processo natural, mas que assusta. Te deixar apreensivo sobre o futuro. Te faz ter medo do que pode acontecer. Te faz pensar se estar seguindo um caminho certo. Te faz olhar pros seus amigos e pensar que você esta um pouco atrasado. Mexe com sua mente.

Mas, não é um monstro  invencível de sete cabeças, então pegue sua espada e vença a batalha. Logo essa fase passa.

NO FACEBOOK

Créditos

Todo o conteúdo desse blog é de propriedade de Thaynara Paiva, exceto o conteúdo sinalizado. Protegido pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610 de 19/02/1998. É Proibido qualquer tipo de reprodução das imagens e textos sem autorização por escrito.